Clipping

FGTS vem deixando de financiar imóveis e gera alerta sobre compra da casa própria - Sinduscon PE

FGTS vem deixando de financiar imóveis e gera alerta sobre compra da casa própria

15/12/2021 - Fonte: Jornal do Commercio - Economia

O uso do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para o financiamento de imóveis está no seu menor patamar desde 2016 e tem sido uma preocupação a mais para o setor da construção civil. Para o ano que vem, manter o ritmo de queda significa deixar mais pessoas fora do mercado, sem conseguir comprar a casa própria. O agravante para 2022 é que se espera o repasse mais forte da alta de juros e do custo da construção dos imóveis, encarecendo as demais linhas de financiamento e o ativo em si, freando os resultados esperados pelo setor pelo lado da demanda.

De acordo com o compilado de dados do fundo feito pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (Cbic), nunca se financiou tão pouco com recursos do FGTS desde 2016. Só em 2021, até o começo de dezembro deste ano, a queda foi de 14% sobre o acumulado no ano passado. Se levado em conta o total de unidades, o recuo bateu os 17%, no mesmo período comparativo.

E o problema não é a falta de dinheiro, pelo menos no que diz respeito às liberações do fundo. A questão maior está no bolso do consumidor. "O problema é que na parte mais baixa da população, se tem ativos onde a renda não alcança. Uma família com renda que compra imóvel de R$ 100 mil, financia R$ 80 mil e paga R$ 20 mil de entrada. Quando o imóvel passa para R$ 120 mil, e a capacidade de pagamento se manteve em R$ 80 mil, a diferença é paga na entrada (dobrando para R$ 40 mil a necessidade de investimento). Além de não alcançar o valor do imóvel, ele precisa de uma poupança dobrada para financiar, e não tem isso", diz o presidente da Cbic, José Carlos Martins.

A situação não chegou a afetar os resultados da construção em 2021, mas pode ser um grande calo para o setor em 2022. Este ano, os financiamentos com recursos da Poupança (SBPE) alavancaram os resultados, dando ao setor o marco de crescimento na casa dos 7,6% - melhor resultado dos últimos 10 anos.

"As classes de mais baixa renda estão perdendo a capacidade de acessar o crédito e isso é extremamente ruim, porque lá está concentrado os 90% do déficit habitacional. Por outro lado, observamos o SBPE indo em caminho contrário, com crescimento forte. O aumento do SBPE é um dos motivos para otimismo e demonstra o movimento de pessoas com maior renda", avalia a economista da Cbic Ieda Vasconcelos.

A pressão que o setor deve fazer sobre mais mudanças em relação à curva de subsídios deverá se intensificar porque a situação do SBPE pode não estar tão mais favorável em 2022. O aumento da taxa de juros e a expectativa de repasse dos custos da construção em 2022 devem desacelerar o ritmo de vendas nessa faixa e, consequentemente, de lançamentos e empregos.

"Teremos o repasse do custo para o preço. Desde o início da pandemia vimos que a demanda corria e a oferta vinha atrás. Nunca tivemos, até metade do ano, o suficiente para fornecimento no mercado. Nossa preocupação é que esse equilíbrio se dê através da redução de consumo e não da maior oferta. Colocamos ainda mais essa responsabilidade muito forte sobre a nossa produção e a falta de possibilidade para o setor", pondera Martins.

Para este ano, a construção civil mantém a expectativa de crescimento na casa dos 7,6%, sobre uma queda de 6% registrada no ano passado. Já para 2022, o avanço deve ser de 2% (caso o PIB cresça entre 0,5% e 1%). O incremento de novos empregos poderá chegar aos 110 mil, num cenário considerado de base, sem levar em conta as previsões mais negativas ou mais positivas.

No fim de novembro, o orçamento operacional do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço até 2025 previa R$ 326 bilhões para a contratação de projetos nas áreas de habitação, saneamento básico e infraestrutura urbana. Do total previsto até 2025, R$ 278 bilhões serão destinados a financiamentos para a construção de novas residências. Outros R$ 34 bilhões serão disponibilizados para a concessão de descontos nos financiamentos para a aquisição da casa própria a pessoas físicas com renda familiar mensal de até R$ 4 mil, o que significa um incremento de R$ 4,5 bilhões para essa modalidade, de acordo com o ministério do Desenvolvimento Regional.

Em 2022, o orçamento operacional aprovado é de R$ 75,4 bilhões para a contratação de obras e de mais R$ 8,5 bilhões em subsídios para a aquisição de moradias.



Veja Mais

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nosso site.
Ao utilizar nosso site e suas ferramentas, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Sinduscon-PE - Política de Privacidade

Esta política estabelece como ocorre o tratamento dos dados pessoais dos visitantes dos sites dos projetos gerenciados pela Sinduscon-PE.

As informações coletadas de usuários ao preencher formulários inclusos neste site serão utilizadas apenas para fins de comunicação de nossas ações.

O presente site utiliza a tecnologia de cookies, através dos quais não é possível identificar diretamente o usuário. Entretanto, a partir deles é possível saber informações mais generalizadas, como geolocalização, navegador utilizado e se o acesso é por desktop ou mobile, além de identificar outras informações sobre hábitos de navegação.

O usuário tem direito a obter, em relação aos dados tratados pelo nosso site, a qualquer momento, a confirmação do armazenamento desses dados.

O consentimento do usuário titular dos dados será fornecido através do próprio site e seus formulários preenchidos.

De acordo com os termos estabelecidos nesta política, a Sinduscon-PE não divulgará dados pessoais.

Com o objetivo de garantir maior proteção das informações pessoais que estão no banco de dados, a Sinduscon-PE implementa medidas contra ameaças físicas e técnicas, a fim de proteger todas as informações pessoais para evitar uso e divulgação não autorizados.

fechar