página principal

Comunicação

Clipping

Portal NE10 - Economia | 29 de agosto de 2017

Adutora do Agreste se arrasta por falta de liberação de recursos

A previsão de repasse para 2017 era de R$ 240 milhões

Projetada para receber água da Transposição do Rio São Francisco, a construção da Adutora do Agreste se arrasta por falta de liberação de recursos do governo federal. Para este ano, a previsão de repasse era de R$ 240 milhões, mais até agora está em apenas R$ 56 milhões (um quarto do esperado). Sem a conclusão da obra, a água do São Francisco não vai chegar às torneiras da população de 23 municípios da região. O governo do Estado tenta uma solução alternativa com a construção da Adutora do Moxotó, mas a capacidade do sistema é equivalente a 20% da Adutora do Agreste.

Leia Também

Verba para a Adutora do Agreste é liberada a passos lentos pela União
Ministro garante manutenção de repasses para Adutora do Agreste
Obras da Adutora do Agreste são retomadas
Adutora do Agreste vai atrasar por falta de repasse de recursos federais
Governo busca alternativas para Adutora do Agreste
Governador lança edital de licitação da primeira etapa da Adutora do Agreste

Na semana passada, o governador Paulo Câmara participou de reunião com o ministro da Integração Nacional Helder Barbalho para pedir a liberação de R$ 164 milhões da emenda da bancada pernambucana ao Orçamento Geral da União (OGU). Obteve como resposta que o ministério vai se empenhar em liberar R$ 11 milhões da própria pasta, além de desbloquear até setembro outros R$ 40,5 milhões que estão contingenciados.

“O ministro nos informou que aguarda a aprovação da ampliação da meta fiscal pelo Congresso Nacional para restabelecer o fluxo de liberação de recursos para a Adutora do Agreste”, revela o vice-governador e secretário de Desenvolvimento Econômico, Raul Henry, que participou do encontro com o ministro em Brasília na semana passada.

Em abril último, o ministro prometeu ao governador que não haveria contingenciamento de recursos para a adutora, diante do argumento de Paulo Câmara de que o Estado enfrenta o sexto ano consecutivo de seca. Apesar das chuvas que caíram no Agreste este ano, vários municípios ainda sofrem com o déficit hídrico. Na época, o governador comemorava que no governo Temer os repasses de recursos foram retomados, com liberação de R$ 136,6 milhões em 2016.


Caso não haja interrupção nos desembolsos, o governo faz uma previsão muito otimista de inaugurar a Adutora do Agreste em dezembro deste ano. O sistema começou a ser construído em 2010 e está com apenas 55% do total executado. O valor da primeira etapa está calculado em R$ 1,2 bilhão, mas só foram liberados R$ 600 milhões até agora.
Redução nos repasses

A redução nos repasses vinha acontecendo desde 2013, mas se agravou em 2015, quando foram liberados R$ 94 milhões. Segundo a Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa), a obra da Adutora do Agreste não está paralisada, mas foi necessário ajustar a execução de acordo com as condições de repasse dos recursos do Ministério da Integração. Ainda de acordo com a empresa, houve um remanejamento da frente de trabalho do Lote 5 (trecho Belo jardim) para o Lote 1 (trecho Mimoso/ São Caetano), para dar funcionalidade a obra da Adutora do Moxotó, a partir da interligação dela com Adutora do Agreste, atendendo às cidades de Arcoverde, Pesqueira, Belo Jardim, Tacaimbó, Sanharó e São Bento do Una.

Com o atraso na obra da Adutora, a água do eixo leste da Transposição do São Francisco está chegando a Paraíba, mas não passa por Pernambuco.