página principal

Comunicação

Clipping

Fonte: Diário de Pernambuco | 03 de maio de 2018

A âncora de um projeto de desenvolvimento

Shopping Camará abre as portas e será o fio condutor dos novos negócios que chegarão a Camaragibe

Com 60 operações funcionando, entre elas as grandes âncoras como Renner, Riachuelo, Le Biscuit, Lojas Americanas e a Game Station, o Shopping Camará inaugurou ontem, em Camaragibe, com a promessa de iniciar um novo ciclo de desenvolvimento na cidade, que faz parte da Região Metropolitana do Recife. Isto porque, fora os R$ 225 milhões investidos no centro de compras, cuja capacidade é de 180 operações divididas em 15 mil metros quadrados de Área Bruta Locável (ABL), o projeto abriga outros equipamentos urbanos a serem inaugurados até 2026, entre eles um centro de serviços, que ficará na Fábrica Camaragibe, ao lado do mall, e contará com faculdade, centro médico, empresa de call center e hipermercado. Além disso, no terreno onde se encontra o shopping haverá ainda um museu da cidade, uma reserva de mata, um empresarial e mais 16 torres residenciais: o Complexo Multiuso Camará.

“Há sete anos estudamos a região para montar esse complexo. O primeiro passo foi o shopping, porque, através de pesquisas, identificamos que era o equipamento que a população local mais necessitava. Vamos agora focar na consolidação do mall até dezembro. Nossa próxima obra será o Camará Service, que fica ao lado do centro de compras e contará com um hipermercado, call center e a possibilidade de operações de educação e saúde”, detalha Peggy Côrte Real, diretora comercial do Camará. Segundo ela, o Service deverá ser inaugurado até o final deste ano. “Em 2019, começaremos a planejar nossa próxima inauguração. Tudo depende muito da demanda. Pode ser um empresarial, um hotel ou uma das torres residenciais, ainda não definimos”, completa, sem mensurar o valor dos futuros investimentos. Vale ressaltar que o shopping ocupa uma área de 61 mil metros quadrados dentro de complexo de 26 hectares.

Para Jorge Côrte Real, um dos sócios do empreendimento, a grandiosidade do projeto do Complexo Multiuso Camará é justificada. “Tudo o que desenhamos para construir aqui são equipamentos que a própria população nos indicou em pesquisas. Nosso objetivo é suprir essas necessidades locais”, explica. Ainda de acordo com Côrte Real, toda a reserva tem mais de 500 mil consumidores da sua área de influência, população com renda anual de R$ 3 bilhões e potencial de consumo anual de R$ 1,3 bilhão. “Queremos ajudar a desenvolver a região, mas preservando a cultura e a sustentabilidade. Além dos empregos gerados, mais de 5 mil entre diretos e indiretos, estamos catalogando peças para o Museu de Camaragibe, que será dentro do complexo, e temos uma preocupação grande com reuso de água e criação de energia elétrica de fontes renováveis”.

Edvan Barbosa, auxiliar de escritório, foi o primeiro cliente a comprar no Camará e aprovou o espaço. “A Zona Oeste precisa demais de um polo de comércio e serviços. Temos uma população grande, uma universidade federal, Aldeia e ninguém conseguia suprir os moradores”, completa Barbosa.