Carregando

Tipo de busca

Guedes diz que dirigentes de bancos estatais reduzirão distorções no mercado de crédito

Capa Clipping

Guedes diz que dirigentes de bancos estatais reduzirão distorções no mercado de crédito

Compartilhar

Nesta segunda-feira, Guedes deu posse aos novos dirigentes dos bancos públicos

Em cerimônia de posse dos presidentes dos bancos estatais, o ministro Paulo Guedes (Economia) afirmou que a máquina de crédito do Estado foi desvirtuada, referindo-se a casos de corrupção revelados nos governos do PT.

“Houve um desvirtuamento das funções públicas, usando a máquina de crédito do Estado”, afirmou. E repetiu a frase mencionada em sua posse como ministro: “A máquina de crédito do Estado sofreu um desvirtuamento, perdemos os bancos públicos através de associações perversas entre piratas privados, burocratas corruptos e criaturas do pântano político”.

Nesta segunda-feira (7), Guedes deu posse aos novos dirigentes dos bancos públicos: Rubem Novaes (Banco do Brasil), Joaquim Levy (BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) e Pedro Guimarães (Caixa Econômica Federal).

Guedes afirmou que a missão dos novos dirigentes dos bancos estatais é reduzir a distorção no mercado de crédito, que faz com que uns paguem “juros na lua” para que escolhidos tenham acesso a taxas “baratinhas”.

“Para fazer essa generosidade às vezes socialmente correta, às vezes socialmente perversa e muitas vezes corrupta, financiamos o endividamento em bola de neve”, disse. “Então o juro vai pra lua para todo brasileiro para que outros tenham o juro baratinho. Esse tipo de distorção essa equipe vai tentar eliminar.”

Segundo ele, isso ocorre em razão do que classificou de “dirigismo econômico”. “O dirigismo econômico corrompeu a politica brasileira e travou a economia”, afirmou. “O mercado brasileiro de crédito também sofreu intervenções danosas. O BNDES recebe aumento de capital para fazer projetos econômicos estranhos do ponto de vista de retorno, estranhos do ponto de vista político, estranhos do ponto de vista de quem é beneficiado.”

“Nós, economistas liberais, não gostamos disso, distorce a economia, derruba a taxa de crescimento, transfere renda de maneira perversa.”

FONTE: Portal FolhaPE – Economia / Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *