Carregando

Tipo de busca

Como anda a produtividade do setor da construção civil?

O Construtor - 01 2018

Como anda a produtividade do setor da construção civil?

Compartilhar

Estabelecimento e acompanhamento de metas estimulam produção

Enquanto o Produto Interno Bruto – PIB do estado de Pernambuco conquistou 2% de crescimento em 2017, e o PIB nacional alcançou majoração de 1%, o setor da construção civil fechou o ano passado ainda em retração. No cenário estadual, de acordo com a Agência Estadual de Planejamento e Pesquisas de Pernambuco – Condepe/Fidem, a Indústria da Construção Civil apresentou queda de 6,5%. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, a queda do setor em nível nacional foi de 5%.

O comparativo foi destacado pelo ex secretário da Fazenda e diretor da Ceplan Consultoria, Jorge Jatobá, durante apresentação no Sinduscon-PE, na segunda quinzena de março. A análise do economista levantou dúvidas sobre o comportamento da produtividade do setor construtivo entre 2015 e 2017.

Jorge Jatobá observou que o custo com a mão de obra do setor, nesse período, teve comportamento inversamente proporcional ao volume de riquezas geradas em obras. A uma primeira vista, pode-se chegar a conclusão de que enquanto a mão de obra encareceu, o setor perdeu em produtividade. Sobre empregabilidade do setor, o diretor da Ceplan mostrou que em 2017 houve uma queda de 5,4% nos empregos do setor nacionalmente, enquanto a queda do emprego formal envolvendo todos os segmentos foi de 0,5 %.

Para o vice-presidente do Sinduscon-PE, Érico Furtado Filho, o que aconteceu com relação ao ganho salarial em Pernambuco foi fruto de uma conjuntura especial do setor no estado em 2015, quando a demanda por profissionais especializados da atividade construtiva estava aquecida pelas obras do complexo industrial e portuário de Suape. “Naquela ocasião, os salários foram bastante inflacionados pela disputa de mão de obra entre os contratantes de Suape e os das obras de incorporação da Região Metropolitana do Recife”, argumentou.

ANALISANDO NOVOS DADOS – De acordo com a engenheira Luciana Andrade, responsável pelo Departamento de Pesquisas do Sinduscon-PE, focos de produtividade chamam a atenção dos pesquisadores envolvidos em atividades do departamento. “O material que a nossa equipe vem coletando em campo atesta a localização de equipes de mão de obra bastante produtivas», diz ela. Sobre o que mais impacta positivamente na produtividade da mão de obra nos canteiros, destaca o processo construtivo adotado, a logística empregada e um bom planejamento e acompanhamento por parte da gestão e da administração local.

A engenheira considerou como fator preponderante os incentivos de gratificação por metas atingidas. “Sem isso o profissional dificilmente vai explorar toda a sua capacidade produtiva”, ponderou, lembrando que outro fator importante é a modernização do setor construtivo.

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *